Testemunhos

Entrevista com o Gabriel Marques: Das doenças e dor crónica para o entusiasmo de viver!

Gabriel Marques – 30 anos, músico e empreendedor. Provavelmente essa seria a apresentação mais esperada e formal. Mas muitas vezes quando leio histórias de vida, sinto que este tipo de descrição nunca encerra em si a essência de uma pessoa. O Gabriel Marques visto pelo meu olhar é um entusiasta da vida – uma pessoa que sabe apreciar as pequenas coisas e o que realmente tem valor, precisamente porque conhece a dura realidade da doença, da fragilidade física e mental, da dor e da sensação de estar entre a vida e a morte. É alguém que com muita facilidade mobiliza e inspira as multidões porque o seu exemplo de vida funciona como espelho no qual muitos conseguem rever-se, descobrir-se e inspirar-se. Vamos conhecê-lo!


1. Gabriel, como descobriste o estilo de vida crudivegano?

- Descobri através de uma amiga no Facebook que me recomendou vídeos do Dr. Robert Morse aos quais já tinha assistido, embora nunca tivesse dado grande atenção a eles. A insistência da minha amiga fez-me olhar para essa informação quando já estava muito próximo de desistir por já ter tentado praticamente tudo a nível de terapias convencionais, alternativas e dietéticas.

2. De que forma começaste a tua mudança alimentar – de forma gradual, primeiro com uma transição para o veganismo, ou diretamente pelo crudivorismo?

- Após um período de cerca de ano e meio numa alimentação paleolítica biológica (sem resultados) acabei por alterar para o crudivorismo de um dia para o outro. Foi uma necessidade porque nessa fase o meu estômago estava praticamente paralisado e a única coisa que entrava eram líquidos e frutas como melancia, uvas e laranjas.

3. De que forma esta alimentação te ajudou a nível físico?

- Simplesmente me tirou de um buraco em que estava entre a vida e a morte. Ajudou-me em todos os aspetos físicos. Desde os mais graves como a doença cardíaca com a qual nasci, até aos problemas intestinais graves, problemas de pele, alergias, arritmias, dores de costas crónicas, artrites, etc.

4. Que mudanças sentiste a nível emocional e mental?

- Na altura em que comecei a mudança estava no meu ponto mais fraco de todos em termos de ansiedade e depressão. Mês após mês essa situação foi melhorando e neste momento sinto me completamente livre desses sintomas. Em termos de ansiedade posso dizer que nunca me senti tão bem e confiante perante qualquer desafio de vida como agora. É algo que nunca tive a oportunidade de sentir. Sinto-me muito aliviado e feliz nesse aspeto. Há dias que posso estar um pouco mais retraído, mas identifico isso como algo que está a acontecer a nível de limpeza física e emocional. É um processo muito natural ao qual nos habituamos.

5. Quais foram os problemas que consideras que conseguiste eliminar apenas com a ajuda da alimentação natural?

- Cansaço extremo crónico, insónia, Síndrome de Intestino Irritável, Nódulos Pulmonares, Dores de Costas crónicas, artrose nos dedos, Depressão, Ansiedade extrema, Tonturas crónicas, Alergias, urticária, hipoglicemia, Fadiga Adrenal, Acne, Blefarite, visão distorcida, falhas de memória, gastroparésia.
É a primeira vez na minha vida que consigo correr durante minutos sem ficar sem ar e sem ficar com o coração acelerado ao ponto de parecer que vai saltar fora. Isto para mim é a primeira vez que estou a ter essa sensação, parece que renasci!

6. Há alguma diferença na alimentação vegan/crua que tinhas enquanto estavas mesmo doente e agora, depois de ter ultrapassado a maior parte desses problemas?

- Sim. Por causa da gastroparésia (paralisia do estômago) fui forçado na altura mais crítica a beber apenas líquidos e comer frutas como melões, laranjas, uvas e melancias. Conforme o corpo foi regenerando e desintoxicando fui introduzindo saladas e muitas gorduras como abacates, azeitonas e sementes de cânhamo. Ultimamente introduzi batata doce, batata e abóbora cozida por questões de conveniência, mas sinto-me sempre melhor se me mantiver 100% cru. O hábito de fazer sumos diariamente continuo a ter. Nunca em 2 anos deixei de fazer sumos (verdes, de fruta e de laranja especialmente).

7. Qual é a tua alimentação neste momento? O que comes num dia típico?

- Sumos naturais espremidos diariamente fazem parte da minha vida pois têm um papel fundamental na forma como sinto o corpo a libertar as toxinas e o muco.
Neste momento consumo 50% frutas; 40% saladas com boas gorduras; 10% cozidos (batata, batata doce, abóbora).
Não como vegetais ricos em enxfore, nem crucíferos desde que iniciei este percurso (como por exemplo alho, cebolas, brócolos, couve-flor, couve) e evito qualquer tipo de vinagre ou produto que possa conter sulfitos. Os sulfitos são, na minha experiência, extremamente tóxicos para o cérebro.
Um dia normal para mim é acordar e fazer logo sumo de laranja ou preparar sumos variados na minha máquina que bebo durante esse dia e o próximo. A seguir como qualquer tipo de frutas ou batido/smoothie. Ao almoço faço uma salada ou como muita fruta também. Durante a tarde se tiver fome como algumas frutas ou mantenho-me apenas a sumo. À noite sou capaz de comer uma refeição grande cheio de vegetais crus e algumas batatas cozidas a vapor de preferência.
Há dias que passo o dia todo a sumo e como apenas uma refeição à noite e sinto que isto é uma alternativa muito eficaz e que o meu corpo parece adorar.
Aos domingos geralmente costumo jejuar a sumo.

8. Na tua opinião, porque é que as pessoas comem tão mal hoje em dia?

- Porque fomos habituados assim e porque temos várias indústrias a incentivar muita porcaria em todo o lado para onde nos viramos por razões puramente económicas. Temos uma sociedade inteira que nos rodeia que se alimenta mal e assumimos isso como sendo o “normal”, portanto acabamos por nem questionar o status quo.

9. Que conselho darias a alguém que está mesmo doente e que fez o que a medicina tradicional tinha para oferecer, mas sem sucesso?

- Diria a essa pessoa que ganhe juízo sinceramente relativamente à medicina tradicional. Juízo no sentido em que temos que ser nós os responsáveis pela nossa própria saúde. Nunca vi alguém a sentir-se bem deixando outra pessoa tomar decisões sobre a sua própria saúde. Diria a essa pessoa que tem que se informar e filtrar as melhores fontes de informação. Para mim a melhor fonte é olhar para exemplos de pessoas como eu e outras que saíram de situações muito complicadas. Pegas na informação dessas pessoas, estudas os livros e vídeos que essas pessoas recomendam, experimentas com o próprio corpo e tiras as próprias conclusões. Mas antes de tudo, para mim, aquilo que maior impacto tem no que observei em mim próprio e em muitas pessoas à minha volta é algo que está bem antes da alimentação e a isso chama-se fé. Fé é acreditares com o teu coração independentemente da cabeça ter razões lógicas para isso ou não. Fé é a melhor motivação de todas.

10. Sabes que hoje em dia muita gente vive para comer e não come para viver. Ou seja, a alimentação deixou de ser apenas algo que fazemos para nutrir o nosso corpo e passou a ser um vício. Na tua opinião, qual é a melhor forma de quebrar esse ciclo vicioso e eliminar o vício?

- No meu caso foi fácil. O sofrimento foi tal que já nem pensava no meu prazer, por isso passei a ver a alimentação apenas como algo para me nutrir e possivelmente tirar da situação extrema em que me encontrava. Relativamente a quebrar o ciclo, inicialmente pode parecer difícil como tudo na vida, mas após um certo período o corpo acaba por mudar e por ajustar-se ao seu ritmo natural. Encontras prazer nesta forma simples de te alimentares após um certo período. Se uma pessoa for criativa, acaba por encontrar ainda mais prazer com o benefício de promover saúde no corpo, mente e espírito.

11. O que é para ti a espiritualidade e consideras-te uma pessoa espiritual? Achas que existe uma ligação entre espiritualidade e comida? Se sim, qual?

- Para mim espiritualidade é no fundo promover o bem a mim e à minha volta. Qual a melhor maneira de o fazer do que a alimentação? Ganhamos saúde, ganhamos vontade de produzir e ajudar os outros, ganhamos mais criatividade, evitamos o sofrimento dos animais e poluímos menos o planeta. Ficamos de tal maneira em paz connosco próprios que ficamos muito mais ao serviço dos outros em vez de estarmos presos ao ego. Ficamos mais conscientes, despertos, fortes e ao mesmo tempo sensíveis ao sofrimento que nos rodeia. A forma mais simples que consigo resumir a espiritualidade é: No passado tinha tendência a procurar livros espirituais de autoajuda e pouco fizeram por mim. Procurava a espiritualidade em vez de me tornar espiritual. E a melhor forma que encontrei para me tornar espiritual foi mudar a forma como me alimento e a gestão do stress que faço através da consciência ativa e da meditação. Acredito que todos nós, humanos, animais e plantas somos uma expressão de Deus. Somos a forma física da consciência e da alma. Acredito que há uma ligação entre nós todos e que podemos viver harmoniosamente entre nós em vez de haver tantas guerras, tantos matadouros, tantas invejas e tanta gente deprimida. Acredito profundamente que este tipo de alimentação poderia mudar o mundo pois, quer queiramos quer não, isto tem um efeito somato-psíquico.

12. Quando olhas para o teu percurso de vida até ao momento, o que achas que a mudança alimentar te ensinou sobre ti próprio?

- Ensinou-me que afinal tudo é possível. Ensinou-me que as melhores coisas da vida vêm através das adversidades e das dificuldades. Ensinou-me que temos que ser gratos pelo facto de estar vivos. Ensinou-me escolher melhor as pessoas que decido ter na minha vida. Ensinou-me que a persistência e a fé são muito importantes. Ensinou-me que existe uma força e consciência universal que nos dá tudo o que precisamos no momento certo quando estamos prontos para o receber. Ensinou-me que sou muito mais forte do que acredito ser.


Gabriel Marques: https://www.facebook.com/GabrielMarquesBliss

-------------------


Entrevista com a Sílvia Bihappy - Uma conversa sobre saúde, amor próprio, lei do retorno e viver a nossa melhor versão!


Sílvia Pacheco – 40 anos, empreendedora e criadora de arte e conteúdos para o desenvolvimento pessoal. A Sílvia através do meu olhar é simplesmente…a Sílvia Bihappy – otimista contagiante de sorrisos rasgados e emoções à flor da pele, focada em superar-se continuamente e ser a sua melhor versão!  Vamos ver o que ela tem para nos dizer sobre a sua jornada e toda a transformação que se deu através da alimentação viva e natural:

1.    Sílvia, podes partilhar o que é para ti o despertar de consciência e em que circunstâncias começou o teu despertar?

Sim, lembro-me perfeitamente. O meu despertar aconteceu através de uma grande dor emocional, quando eu tinha 28 anos. Na altura estava num relacionamento, o qual terminou e eu tinha depositado toda a esperança para a minha felicidade nesse mesmo relacionamento. É claro que quando percebi que a realidade não estava a preencher a minha expectativa o “mundo caiu”, bem como toda a percepção sobre a vida. O fim deste relacionamento não foi o único motivo, mas foi “a gota de água” para eu mergulhar numa nova consciência e a partir daí tudo mudou.
Despertar de consciência para mim é, despertar para a verdade, para a verdade intrínseca que existe dentro de cada ser e do próprio Universo. Sinto que para além da sabedoria interna que existe em cada ser também existe uma sabedoria universal e transcendental, que nos ajuda a “abrir os olhos” para o essencial. Na realidade o mundo não é aquilo que vemos – com os olhos físicos - mas aquilo que sentimos mais profundamente. O mundo real é mágico onde só existe espaço para a saúde, para a abundância, para o amor, para a confiança, para a liberdade, para a paz, para a felicidade, para sermos quem nós somos na realidade, que na verdade somos luz. Contudo através da nossa experiência no planeta Terra, em conjunto com as outras vivências já acumuladas de outras vidas, carregamos bagagem que distorce a presente realidade. No entanto, nessa mesma bagagem temos também presente a matriz da sabedoria universal e tudo o que acumulamos como talentos e outras aprendizagens positivas. Quando nascemos neste mundo não nos lembramos de nada, do que já vivemos, do que somos e vamos crescendo e sendo influenciados pelas pessoas que nos rodeiam, bem como pelas experiências que vivemos e são os “abanões” que vamos sofrendo ao longo da vida que nos vão acordando para o que somos na realidade. E o que nos direcciona para este caminho, é a procura pela felicidade. O que é que todo o ser humano deseja? – Ser feliz!! Ele sabe que esse é o seu verdadeiro estado mesmo que seja só inconsciente. E podemos até procurar nos sítios errados e de forma errada, mas mais cedo ou mais tarde e através da experiência, descobrimos o “Santo Graal”.
Isto pode parecer irreal, aos olhos de alguns, mas nunca na minha vida me senti tão real e verdadeira, naquilo que vejo, sinto e como sou.

2.    Encontras alguma relação entre corpo, mente, a forma como nos sentimos e a vida que temos e continuamos a atrair?

Sim, está tudo relacionado. O nível da nossa consciência e o que pensamos gera sentimentos e experiências que nos fazem vivenciar o corpo e a vida da forma que vivemos. Tudo o que atraímos está em sintonia com a energia que emitimos e a única forma de atrairmos o que desejamos é gerar energia de alta vibração que esteja em sintonia com o que queremos atrair. Todo o “combustível” que damos ao nosso corpo (em forma de alimento ou produtos que colocamos na nossa pele); à mente (em forma de pensamentos); e ao que sentimos (em forma de emoções) vai influenciar-nos na forma como nos sentimos, na vida que temos e que continuamos a atrair. Para nos sentirmos bem, felizes, e saudáveis precisamos nos tornar responsáveis pela nossa vida, pelas escolhas que fazemos, porque toda a decisão que tomamos vai influenciar a nossa saúde mental, emocional e física.

A Sílvia ANTES da mudança alimentar

3.   Que papel teve a alimentação ao longo do teu percurso de vida? Como descobriste o estilo de vida cru/vegano?

Nunca liguei muito para a alimentação. Comia por prazer e para não passar fome. Só por volta dos 30 é que comecei a ter mais consciência de que o que comia podia afetar o meu corpo. Comecei primeiro por reparar nuns pneus que já não consegui eliminar, depois noutros pequenos pormenores que não faziam de mim uma pessoa completamente saudável. Mas o que me levou a descobrir o estilo de vida crudívoro/vegano, foi querer alcançar outros níveis de consciência mais elevada, até diria que queria alcançar algo “fora da caixa”. Eu sabia, intrinsecamente que havia alguma coisa para além do que aquilo que os meus olhos físicos conseguiam ver.

4.    Quais foram os motivos que te levaram a mudar de alimentação?

Eu procurava por algo que me ajudasse a aumentar o meu amor próprio, a ser eu própria e a alcançar outros níveis de consciência. Comecei por utilizar uma afirmação (do género): “Eu liberto-me de tudo o que me impede de ser eu própria”, para obter o que pretendia, e nessa minha procura descobri um vídeo de um rapaz no Youtube que despertou a minha atenção. Ele falava de uma alimentação que estava a transformar toda a sua vida, no sentido positivo. Ele próprio chamava a atenção, pela energia que emitia, pelo que dizia e pelo seu aspeto jovem e brilhante. Fiquei rendida porque tinha encontrado a chave do tesouro que eu queria abrir. Claro que estou a falar da alimentação crudívora.

A Sílvia DEPOIS da mudança alimentar

5.    Que tipo de benefícios físicos, emocionais e/ou mentais sentiste desde que adotaste uma alimentação de origem vegetal?

Oh!! São tantos os benefícios. A nível físico retirei os tais pneus, eliminei problemas de pele, tais como alergias, pele oleosa e pálida. Desconforto intestinal e barriga inchada também deixaram de existir, bem como unhas e cabelo fraco. Estes são os que me lembro. A nível mental trouxe-me pensamentos mais harmoniosos, mais clareza e inspiração. No campo emocional fiquei mais equilibrada. O meu humor não oscila com tanta frequência e tenho sentimentos mais prazerosos. Esta alimentação ajuda-nos a enfrentar o que está mal para não desperdiçarmos muito tempo com emoções que não nos auxiliam a viver a nossa melhor versão. Também me ajudou a aumentar o meu amor próprio.
A alimentação de origem vegetal, em especial a crudívora faz uma limpeza no campo físico, emocional e mental, aumentando a nossa energia – positiva – e aproximando-nos de quem somos na realidade.

6.    Como é um dia típico na tua alimentação neste momento?

Alimento-me durante o dia com fruta inteira ou em batidos e à noite com uma grande salada, acompanhada por vezes de algo cozinhado também simples, como arroz, batatas temperadas apenas com especiarias ou alguns legumes cozinhados.

7.    O que é que a mudança alimentar te ensinou sobre ti própria?

Ensinou-me tanto. Que ainda tenho muito para descobrir sobre mim. A alimentação crudivegana levanta os véus, que fomos criando ao longo das nossas vidas e que “escondem” talentos e qualidades maravilhosas. Também me ensinou que sou corajosa e muito determinada. Esta alimentação não é para todos, apenas para os corajosos e persistentes, porque ao escolhermos este caminho vamos ter de enfrentar o sistema em que vivemos, vamos ter de enfrentar crenças muito enraizadas a nível social e por último vamos ter de enfrentar os nossos próprios medos e desafios. Mas como já bem sabemos, o que faz a maioria nem sempre é o melhor e este é o caso. Não desejo parecer egóica nem detentora da verdade, mas falo através da minha experiência. Se esta alimentação me ajudou em tantos sentidos, o que faria para toda a população?! De certeza que viveríamos num mundo mais saudável, equilibrado, amoroso e feliz.

8.    Consegues apontar apenas uma prática saudável que sentes que mais transformou o teu corpo e mente?

Cuidar do meu diálogo interno e falar gentilmente comigo mesma, todos os dias! Quando utilizamos palavras ou afirmações que nos empoderam transformamo-nos no melhor que existe em nós.

9.    Tanta gente hoje em dia tem problemas em gostar de si, em aceitar-se como é e sentir-se alguém com valor e à altura dos desafios que a vida lhe apresenta. Como alguém que aborda com frequência os temas da autoestima e amor próprio, o que dirias a uma pessoa que lida com estes problemas?

Primeiro precisa de comprometer-se consigo própria, que fará o necessário para se amar. É tal e qual deixar de fumar. Uma pessoa só deixa realmente de fumar quando decide. Eu sei, já fui fumadora e também já vivi com baixa autoestima. Por isso, o primeiro passo é decidir. Depois é utilizar técnicas que ajudem a mudar o discurso interno de forma a passar do ponto A, uma pessoa com baixa autoestima, para o ponto B, uma pessoa que se valoriza e que tem plena consciência que merece viver a sua melhor versão. Na prática pode não parecer tão simples porque requer persistência e é preciso ter em conta que é algo que leva um determinado tempo. Se levamos um certo tempo para “construirmos” a pessoa que somos também levará o seu tempo para construir aquela pessoa que queremos vir a ser. Mas está ao alcance de qualquer um. Quando decidimos, nos disciplinamos e utilizamos as técnicas certas tudo podemos mudar!

10.  Na tua opinião, o que devemos fazer para aumentar o nosso amor próprio?

Basicamente é comprometer-nos com o nosso amor próprio. A partir daí é praticarmos hábitos saudáveis que estejam em sintonia com a nossa melhor versão. De que hábitos falo? De termos um discurso interno amoroso – reclamar, vitimizar-se, criticar, etc., não fazem parte desse discurso – de alimentar-nos com alimentos que nos empoderem, de fazer exercício físico, de fazer coisas que nos entusiasmem, de estar em contato com pessoas que nos elevem…É fácil identificarmos quando não nos estamos a tratar bem. Quando temos ou fazemos algum tipo de prática que nos faz sentir mal ou que não nos traz vantagem não estamos a cuidar de nós. Uma pergunta que nos direciona para o amor próprio é: O que faria a minha melhor versão nesta situação? E teremos a resposta certa para aumentarmos o nosso amor próprio.

11.  Reparei que a lei da atração é um tema que gostas de abordar. Podes partilhar algum episódio que exemplifica como funciona essa lei e de que forma mudou a tua vida?

Sim, gosto muito de falar da lei da atração porque é um assunto que dá vida à minha criança interior. Posso sonhar e materializar aquilo que sonho. Já materializei um carro, viagens, um trabalho, etc. Posso partilhar a minha experiência sobre como atrai um emprego. Fi-lo através de uma carta (uma carta mágica – o meu vídeo mais popular no Youtube) em que escrevi o que queria porque não estava satisfeita com o trabalho que tinha no momento e depois fui entregar currículos. A seguir afirmei que a primeira pessoa que me contatasse teria o trabalho certo para mim. Nesse mesmo dia recebi um telefonema a convidarem-me para trabalhar. O que é engraçado é que não foi nenhum daqueles trabalhos onde entreguei o currículo, nem sabia que essa pessoa estava a precisar de alguém. Segundo a minha intenção, o Universo trouxe aquilo que pedi.
Lei da atração para mim significa lei do retorno, o que emitimos recebemos de volta por isso somos muito poderosos porque temos o poder para criar, seja o que for. O que nos diferencia dos animais e das coisas é que temos o poder para pensar e através da emoção materializamos coisas e experiências. Somos todos energia, mas o poder para criar só pertence ao ser humano. A lei da atração não é algo sobrenatural, é uma lei que existe e que está comprovada pela física quântica. Quer queiramos quer não ela existe e está sempre a funcionar, por isso já que temos este poder porque não o utilizamos a nosso favor? E foi com esta descoberta que mudei a minha vida. Sei que posso criar tudo!!

12.  O que dirias a alguém que deseja muito mudar a sua vida, mas nem sabe por onde começar?

A primeira coisa que diria seria: “Conhece-te e ti mesmo!” Só quando começamos a viajar pelo nosso interior é que a vida começa a mudar, no sentido positivo. Na prática diria para procurar por uma ou mais técnicas que se sentisse em sintonia e que o ajudasse a desenvolver pessoalmente, para aumentar o seu amor próprio. Quando nos fortalecemos por dentro, quando desenvolvemos um corpo físico, mental e emocional saudável e enriquecido mudamos toda a nossa vida.

Para terminar, na tua opinião qual é o segredo que nos permite ser a nossa melhor versão?

Basicamente é AMAR! Quando nos amamos, escolhemos os melhores alimentos, a melhor companhia, coisas que nos entusiasmem e caminhos que nos ajudem e nos permitem viver a nossa Melhor Versão!

Vive A Tua Melhor Versão!


Sílvia Bihappy: https://www.facebook.com/silvia.bihappy
Youtube: https://www.youtube.com/channel/UC0MNAnXz0X7caGCuv6dcW9w

-------------------



Entrevista com a Marisa Vilela - Mente sã em corpo são e o papel da alimentação e exercício físico  


Marisa Vilela – 40 anos, cabeleireira. A Marisa vista através do meu olhar é uma menina mulher sem idade, dotada de um foco e persistência admiráveis. Forte como o aço por fora, mas algodão doce por dentro. Ela é o todo – uma verdadeira força da natureza! Aqui está um resumo do caminho que percorreu na alimentação crua e vegana:

1- Marisa, quando e em que circunstâncias descobriste a alimentação (crudi)vegana?
- No verão de 2014 regressei das férias com uma “alergia” nas mãos, e em conversa com um amigo,o Marco Oliveira, tomei conhecimento do site Vida em estado cru onde se defendia a cura pela alimentação crua.
2- O que te fez dar esse passo tão importante de mudar de hábitos alimentares? Na altura em que mudaste sabias que seria uma mudança permanente ou achavas que estavas a fazer uma “dieta” temporária?
- Inicialmente foi essa ”alergia” que me fez mudar de alimentação, visto que a medicina convencional não me dava soluções. Eu andei um ano com as mãos cheias de bolhas, que para além de uma comichão terrível, as bolhas rebentavam e ficavam sem pele, uma lástima! Mas o meu histórico de problemas de saúde não termina aqui. Eu sofri de bronquite 12 anos; estive 5 anos com depressão; tinha dores de cabeça quase diárias; crises de herpes que me lembro de ter desde criança e que foram aparecendo em sítios cada vez mais preocupantes; sofria de insónias e ansiedade; tinha muitas dores nas articulações; tinha vitiligo há 16 anos, por isso nada tinha a perder. Na altura em que mudei pensei que seria uma “dieta” temporária e que assim que melhorasse provavelmente voltaria à alimentação tradicional. Fui fazendo um mês, depois outro e ao fim de três meses as mãos estavam totalmente curadas, larguei a medicação da depressão; as dores de cabeça desapareceram; comecei a dormir bem; a ansiedade tinha desaparecido e tinha a cada dia mais força e vontade de viver!!! Agora eu costumo dizer que é um amor para a vida toda!!!
3. Que impacto teve a mudança na tua saúde? Quais foram os efeitos que sentiste?
- O impacto foi enorme, pois para além de ver algumas doenças curadas, eu comecei a ver que o meu psicológico estava diferente e eu nunca tinha pensado que a comida podia interferir com essa parte tão importante. Senti a cada dia a auto-estima  e o amor póprio a aumentar. No fundo eu senti que estava a renascer!

4. Certamente sabes que a tua forma física é uma grande inspiração para muitas mulheres e homens que te acompanham. És a prova de que é possível ser vegano e ter força, definição e boa massa muscular. Foi difícil conciliar a alimentação vegana com a paixão pelo exercício físico?
- Na transição para a alimentação vegana perdi cerca de 8kg, o que para quem já era magra se notou bastante, e isso fez com que no ginásio tivesse de diminuir muito á carga pois não tinha força para pegar no mesmo peso que pegava anteriormente. Tive de recomeçar, mas depressa notei os abdominais a ficar super definidos e isso deu-me muita motivação para continuar a treinar. Hoje em dia ainda não pego na mesma carga, mas isso deixou de ser importante pois até nisso eu mudei e deixei de ser obsecada, gosto de mim como sou! A alimentação vegan não me dificultou em nada, pois continuo a ter força e energia para treinar.

5. Desde que começaste a treinar mais a sério, quanto tempo demoraste até alcançar a fantástica forma física em que te encontras agora?
- Eu faço exercício físico desde os 15 anos. Cheguei a ter em casa aparelhos de musculação, mas há 5 anos matriculei-me no ginásio e comecei a treinar mais a sério. A mudança na alimentação deu-se em junho de 2015, bastaram-me 2 meses para ficar com o famoso six-pack e isso deixou-me tão feliz! Nessa altura só não gostava de me ver com as pernas tão magras, visto que tinha emagrecido muito, mas aos poucos estou a recuperar o peso e a massa muscular.
6. Para além da alimentação de origem vegetal, usas suplementos? Se sim, quais?
- Não uso suplementos, apenas superalimentos/algas que são concentrados em proteína como a spirulina, clorela.

7. Em que consiste um dia típico na tua alimentação?
- Como pratico o Jejum Intermitente de 17h, a minha primeira refeição é às 13h. Começo com 1 litro de sumo de vegetais e limão, e fruta inteira. Às 15h já sinto alguma fome, por isso bebo 1 litro de sumo de laranja e limão. Ao lanche, por volta das 17h, bebo 1 litro de batido de fruta, vegetais de folha verde (espinafres, salsa, hortelã e cidreira fresca), spirulina, clorela, urtigas, aloe vera e maca. A minha última refeição é o jantar, por volta das 19.30h que é onde como algo cozinhado de origem vegetal e sem gorduras (arroz, batatas, batata doce, quinoa, lentilhas, ervilhas, favas, trigo sarraceno, brócolos, couve flor e muito raramente feijão ou grão de bico), sempre acompanhado de uma saladona e 1 litro de sumo de cenoura que bebo no ínicio. Não esquecendo a importância da água, bebo 3 litros por dia. Ao acordar bebo 500ml de chá de pau d´arco e ao deitar bebo 500ml de chá de alcaçuz (não alteram a mecânica do Jejum Intermitente).
8. Notas diferença entre a alimentação que tinhas na tua fase de transição  para o veganismo e agora vários anos depois de ter concluído essa transição? O que se mantém igual e o que mudou?
- Sim, muita!!! Na altura da transição lembro-me de comer 23 peças de fruta por dia, fora o almoço e jantar em que comia cozinhados e saladas, pois sentia muita fome!! Hoje em dia já não sinto essa fome/vontade de comer, pois o organismo aproveita melhor os nutrientes. Acredito que cada ano é diferente, e o corpo vai ditando aquilo que mais lhe faz falta, é só estar atenta.
9. O que dirias a alguém que deseja mudar a sua forma física e hábitos alimentares, mas está perdido e até desmotivado. Por onde começar?
- Eu recebo inúmeras mensagens a pedir ajuda, tanto para emagrecer como para fazer a transição para a alimentação vegana, e o que eu aconselho sempre é que aos poucos larguem os produtos de origem animal, produtos processados e refinados e conto a minha experiência relatando um dia normal na minha alimentação. Eu adoro postar nas redes sociais (facebook e instagram) fotos das minhas receitas e digo sempre a quem me pede ajuda para irem lá espreitar, para ficarem motivados, e pelas mensagens que recebo está a resultar! Fico de coração cheio pois o intuito das minhas postagens é mesmo motivar quem perdeu a força e vontade de seguir em frente! Eu defendo que a alimentação é a base e o exercício o complemento!
10. “É normal, já não vou para nova!” é uma frase que muitas mulheres que eu conheço usam para justificar o peso a mais, as gorduras a mais e um progressivo desleixo com a aparência física que se verifica especialmente depois de casar e ter filhos. O que pensas sobe isto?
- Eu acho que tudo tem a ver com a relação “comida tóxica” = “mente enfraquecida” ou seja, na minha opinião, as pessoas já estão de tal forma anestesiadas pelos vícios e  medicamentos, que já perderam a vontade de tudo. Sentem-se doentes, desmotivadas, depressivas, ansiosas e vivem em modo piloto automático, já deixaram de ter força de viver, andam aqui por ver andar os outros! As pessoas acomodam-se, acham que o estar doentes, com peso a mais e deprimidas é o normal, é da idade!! Eu já estive no fundo, com a mente tão mas tão apagada, mas nunca me acomodei. Eu pesquisei, eu lutei, eu tinha a certeza que vim a este mundo para ser feliz e sabia que ao lutar iria ganhar cada vez mais força para o conseguir e fico triste por ver as pessoas desistir tão facilmente da felicidade. Mas eu já aprendi que cada um tem o seu caminho a percorrer.
11. O amor próprio é um dos temas frequente nas  tuas partilhas nas redes sociais. O que significa para ti ter amor próprio e como o cultivas?
- Eu descobri o amor póprio há muito pouco tempo…. Vivi muitos anos à sombra do ego, mas finalmente descobri que ter amor próprio é colocar-me sempre acima de tudo, gostar de mim como sou, jamais me autocriticar, saber controlar os pensamentos para não sofrer com eles. Felizmente comecei a ter sabedoria suficiente para dizer não ao que me incomoda, ao que me faz mal! Aprendi que elogiar-me ao espelho é uma terapia maravilhosa!! A forma que tenho de cultivar o amor póprio é cuidar bem de mim por dentro e por fora, ou seja, alimentando-me bem, fazendo exercício físico, descansando bem, meditando, praticando as afirmações positivas, sorrindo e enviando luz ao universo.
12. Como mãe de uma filha adolescente qual é, na tua opinião, o nosso papel (de mulheres e mães) na criação de bons hábitos alimentares e uma imagem corporal positiva nos nossos filhos?
Infelizmente hoje em dia é muito comum ver adolescentes com peso a mais e isso deixa-me triste mas também revoltada! A responsabilidade de isso acontecer é dos pais, pois são eles que compram a comida para casa! A educação alimentar faz-se em casa, dando o exemplo. Eu costumo dizer que uma das maiores heranças que deixarei à minha filha é a alimentação que fazemos. A Bruna começou na alimentação vegana há 2 anos e meio, tinha acabado de fazer 15 anos, e não foi porque a obriguei a fazê-lo, ela mesma comprovou o resultado que estava a ter em mim, logo o exemplo fui eu! Se és uma mãe que enche os armários de casa com guloseimas, se preparas refeições cheias de gorduras, se estás sempre a petiscar comida embalada e processada, o teu filho fará igual,certo?! Mais tarde estes jovens irão ser obesos, doentes, cheios de problemas de auto-estima e infelizes, e isso é muito triste! Basta olharmos à nossa volta para ver tanta gente nova a morrer de cancro, já pararam para pensar porque será? Eu faço aqui um apelo aos pais: Sejam atentos, sejam responsáveis e todos serão muito mais saudáveis e felizes!
13. O que te ensinou o teu percurso no veganismo sobre ti própria e qual foi o impacto que teve na tua vida no geral?
- O ensinamento mais importante que tive foi que a comida não me controla mais e isso faz de mim uma pessoa livre! O maior impacto que teve em mim foi passar de uma pessoa stressada, deprimida, negativa, escura por dentro e sem motivação para viver, para uma pessoa mais alegre, calma, confiante e com sabedoria interior para aguentar cada obstáculo que a vida nos propõe, pois eles são meros ensinamentos por que temos de passar para crescer! Sem dúvida que a maior mudança em mim nem foi a física - foi a mental e estarei grata por isso eternamente, pois agora sim, estou a VIVER!


Marisa Vilela: https://www.facebook.com/marisa.vilela.90